São José Basquete quer encaminhar contratações

As condições do mercado de jogadores são desfavoráveis, mas o São José Basketball acredita que agora, depois da virada de ano, poderá anunciar as primeiras contratações para a volta do time às competições.

Sem a estrutura financeira para manter a condição de equipe competitiva nos grandes campeonatos da categoria principal, o São José ficou desativado e fora das disputas de 2017. Preparando a volta e conseguindo uma vaga na divisão de acesso ao NBB (Novo Basquete Brasil), passou a planejar a participação na Liga Ouro que começará no dia 26 de fevereiro.

Retornando à direção executiva da Organização Social São José Desportivo,  que comanda o time, Dalvi Rosa promoveu Luís Inácio Messias de supervisor a coordenador, iniciando o planejamento da reconstrução.

Inácio acertou a volta de Paulo Cézar Jaú, que no São José foi assistente do ex-técnico Régis Marelli e agora retorna como o novo técnico. Cristiano Ahmed, o técnico mais recente, continuará comandando as categorias de base e também será assistente na comissão técnica principal.

Depois da chegada de Jaú foram intensificados os contatos com jogadores que poderão ser contratados. O São José precisa montar um time inteiro e completar o elenco com os garotos que participam da Liga de Desenvolvimento de Basquete, a categoria de base mais próxima da adulto.

“Como o campeonato da LDB passou de sub-22 a sub-20, perdemos alguns jogadores mais experientes e que foram procurar outros times para darem sequência à carreira. Mesmo assim, alguns garotos deverão ser promovidos, completando o elenco da Liga Ouro e disputando espaços”, disse Inácio.

A NBB 2016/2017 está concentrando a grande maioria dos bons jogadores do país. Mesmo assim, Inácio acredita que nos campeonato estaduais há outras opções interessantes. “E tem também algumas competições da América Latina”, acrescentou o dirigente, lembrando que o São José já teve alguns jogadores estrangeiros e que corresponderam.

Concorrência

O aumento no número de participantes da Liga Ouro deste ano, que era cinco e passou a nove, também aumentou a concorrência no mercado de jogadores. Corinthians, Brasília e Macaé, por exemplo, são time que provavelmente investirão mais, ultrapassando os limites do alcance financeiro joseense.

“Por outro lado, o São José tem alguns pontos fortes, como o histórico de boas campanhas, a credibilidade nos compromissos assumidos com os atletas e uma torcida que engrandece a equipe”, disse Inácio.

Sobre o perfil dos jogadores procurados, a versatilidade é uma característica que pode fazer a diferença entre as opções sondadas. “Queremos aqueles que sabem fazer mais de uma função, tipo armador e ala, ala e lateral, lateral e pivô”, destacou Inácio, deixando a entender que a qualidade terá mais peso que a quantidade.

Na foto (de Claudio Capucho/PMSJC), torcedores do São José em uma partida no ginásio Lineu de Moura.

Comments

comments